Richilieu
Bordado feito à máquina no qual as bordadeiras primeiramente traçam o desenho a ser feito no papel de risco que, posteriormente, é passado para o tecido no qual será bordado pela máquina. Depois, as bordadeiras cortam o restante do tecido com uma tesoura de unha ou similar, contornando o desenho feito pela máquina, deixando-o, desta forma, o vasado.

Renascença
A Renascença é criada usando–se uma linha apropriada, fabricada de algodão puro, uma fita fina chamada lacê, uma almofada cilíndrica, papel manteiga – conhecido pelas rendeiras como papel de risco – e papel grosso para suporte – geralmente utiliza–se papel de saco de cimento ou de ração animal. Elas desenham o formato desejado no papel de risco, colam ao papel suporte, alinhavam o lacê, fixam todo o conjunto na almofada e começam a tecelagem. Quando o trabalho é concluído, a renda é lavada e recebe uma camada de goma para adquirir rigidez.

Renda Irlandesa
A Irlanda colaborou para sua perduração com a produção feita pelas freiras responsáveis pela educação de vários países colonizados, inclusive o Brasil. Consiste em uma renda feita com cordão e lacê que exige muita habilidade e paciência. Por conta do tempo e do trabalho elaborado que exige, hoje em dia, só se faz peças de renda irlandesa sob encomenda pelo fato do custo e da mão de obra ser elevada. Para se fazer um metro de renda irlandesa, por exemplo, a artesã demora cerca de um mês, trabalhando 5h por dia.

Labirinto/Crivo
O labirinto ou crivo é um tipo de renda de agulha e tem como característica o fio desfiado preliminarmente, o qual é tecido com linha, seguindo os desenhos estabelecidos. O processo ou operação de feitura possui 6 etapas: escolher o tecido e tirar a metragem, riscar o desenho e desfiar o tecido, fazer o enchimento, torcer e perfilar. O crivo seria o que esta perfurado, dando a aparência de uma tela, grade ou labirinto.

Ponto Cruz
Tipo de bordado no qual é feito sob o tecido. Os pontos alinhavados no tecido formam uma cruz, daí derivado o seu nome. Os desenhos feitos sob o tecido envolvem inúmeros motivos/temas. É um trabalho fácil e que requer pouca habilidade com agulha e linha para aprender. Pode-se usar qualquer livro de ponto cruz (nacional ou importado). Os gráficos que auxiliam na execução do trabalho possuem um símbolo para cada cor de linha. É necessário que se tenha à mão, linha, agulha e tecido de trama simétrica. Recomenda-se iniciar por um projeto pequeno.

Ponto Cheio
Bordado feito à mão ou a máquina. Como envolve variados tipos de linha o bordado feito sob o tecido dá um aspecto de ser “fofo”.

Rendendê
A técnica é minuciosa: o tecido é desfiado em determinados pontos, formando espaços vazios com formas geométricas, milimetricamente distribuídos. O acabamento ganha a beleza de outras técnicas, como o bilro, a renda irlandesa ou barras em crochê. Corruptela da palavra holandesa hardanger, o rendendê é uma das práticas artesanais que melhor representa essa síntese cultural do povo sergipano.

Filé
Renda de agulha que consiste em criar tecido ou enchimento sobre rede, ou seja, seria uma malha cuja trama segue a mesma técnica dos pescadores utilizadas na confecção das redes de pesca.

Crochê
Tipo de renda feita com a linha de crochê de variadas espessuras e cores que ficam a critério da artesã e do cliente.
O crochê é uma espécie de artesanato feito com uma agulha especial que possui um gancho e que produz um trançado semelhante ao da malha ou da renda.